Home > Quem Somos
Quem Somos



MISSÃO DA CCP

A CCP tem como missão contribuir para o desenvolvimento do País, através de 3 vectores estratégicos:

  • no seu papel de dinamizador do associativismo e do empreendedorismo no comércio e nos serviços;
  • nos seus contributos no Conselho Económico e Social e em sede de Concertação Social, com vista ao desenvolvimento de um Contrato Social mobilizador e modernizador;
  • no seu papel de interlocutor entre o mundo empresarial e os sistemas político, social e fiscal, nomeadamente junto do Governo e da Administração Pública, Cúpulas Associativas, Escolas e Universidades, e Comunidade financeira e empresarial.

História

A CCP, na origem Confederação do Comércio Português, foi criada em 1976 como resultado do movimento associativo surgido após o 25 de Abril.

 
Com a extinção das estruturas corporativas, constituiram-se livremente, e em número significativo, um conjunto de associações patronais, muitas das quais aproveitando a organização dos grémios anteriormente existentes.

Face a esta evolução, era imperiosa a constituição de estruturas que aglutinassem os vários sectores e regiões na defesa de interesses comuns.

O modelo adoptado no comércio assentou na distinção clássica entre grossistas e retalhistas, sendo criadas a Federação do Comércio Grossista Português (FCGP) e a Federação do Comércio Retalhista Português (FCRP) que filiariam directamente as associações patronais respectivas.
A CCP, enquanto estrutura de cúpula de todo o movimento associativo do comércio e serviços, agruparia as duas Federações referidas e um conjunto de associações de serviços que, acompanhando a crescente terciarização da economia, aí encontraram a estrutura por excelência para a representação dos seus interesses.

A evolução da actividade económica nas duas últimas décadas, atenuando a separação entre grossistas e retalhistas e reforçando a aproximação entre o comércio e os serviços, conduziram à necessidade de ajustar a estrutura do movimento associativo ás novas realidades e dinâmicas, fazendo surgir a necessidade de repensar a organização associativa do sector terciário.

A consequência foi a alteração estatutária, já em 1995, envolvendo a própria designação da CCP, agora CONFEDERAÇÃO DO COMÉRCIO E SERVIÇOS DE PORTUGAL, e que passou a adoptar o princípio da filiação directa das associações na Confederação reforçando, deste modo, a ligação das bases à estrutura de cúpula do sector, permitindo ainda, em condições determinadas, a filiação de empresas.

Órgãos Sociais

ASSEMBLEIA GERAL

Compõem a Assembleia Geral todos os associados, sendo os votos distribuídos em função da quotização paga.

A Direcção é composta por 19 membros:
1 Presidente, 9 Vice-Presidentes e 9 Vogais.

CONSELHO DE PRESIDENTES

O Conselho de Presidentes é composto pela Direcção e pelos Presidentes das Direcções dos associados.

CONSELHO FISCAL

O Conselho Fiscal é composto por 1 Presidente, 4 Vogais efectivos e 2 suplentes.

Conselho de Empresas

CCP promove Conselho Empresarial

Criar pontes com as empresas e empresários

O mundo empresarial exige do poder político uma verdadeira Reforma da Administração Pública que assente na diminuição do peso do Estado na Economia, na melhoria da legislação e regulamentação, na simplificação administrativa e de medidas de desburocratização, num esforço permanente de aproximação às empresas, racionalização de recursos e na prestação de um serviço de qualidade.

Portugal viveu durante anos com um Estado intervencionista, com uma postura corporativa e paternalista, agora o protagonismo cabe à sociedade civil, nomeadamente às empresas e às suas associações empresariais. São as empresas que no seu quotidiano sentem as inúmeras dificuldades de relacionamento com o excessivo peso burocrático do aparelho do Estado.

No nosso entender, o conhecimento desta realidade, conjugado com o peso político da Confederação, com assento no Conselho Económico e Social e interlocutor privilegiado junto do poder político, forçosamente tem que levar à construção de uma parceria em que o principal objectivo é a melhoria da competitividade das empresas.

Para dar corpo a este desidrato, nomeadamente reforçar a ligação entre a CCP e o mundo empresarial a actual direcção pretende envolver as empresas de uma forma mais activa, através do seu Conselho Empresarial.